sábado, 22 de maio de 2010

Me Revelar


Tudo aqui quer me revelar.
Minha letra, minha roupa, meu paladar.
O que eu não digo, o que eu afirmo.
Onde eu gosto de ficar.
Quando amanheço, quando me esqueço
 Quando morro de medo do mar.
Tudo aqui. Quer me revelar.
Unhas roídas. Ausências, visitas.
 Cores na sala de estar.
O que eu procuro.
O que eu rejeito.
O que eu nunca vou recusar.
Tudo em mim quer me revelar.
 Meu grito, meu beijo.
Meu jeito de desejar.
O que me preocupa, o que me ajuda.
O que eu escolho pra amar.
Quando amanheço quando me esqueço.
Quando morro de medo do mar.



ZELIA DUNCAN (ME REVELAR)

2 comentários:

Maria disse...

Lindíssimo poema e excelente blog, adorei e vou seguir com muito prazer.
Tenha um bom Domingo
bjs
Maria

Bia Rodrigues disse...

Olá Tempestade,seu blog é muito lindo querida. Deixei um selinho pra vc lá no meu.Bom começo de semana pra vc.Beijos

Estão na Chuva.